SOLO VIVO | Núcleo Agrícola
UA-102017239-1
16335
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-16335,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive

Núcleo Agrícola

nucleo-agricola-001
nucleo-agricola-002
nucleo-agricola-003
nucleo-agricola-004
nucleo-agricola-005

A agricultura é essencial para o desenvolvimento e independência de uma Nação.

A SOLO VIVO neste núcleo pretende:

  1. A difusão do correcto uso e ocupação do solo, combatendo a erosão e impulsionando a sustentabilidade do mesmo;
  2. Propagar a utilização e a gestão sustentada da água, enquanto recurso natural estratégico;
  3. A divulgação e a valorização da agricultura em geral, e em particular da agricultura tradicional, da agricultura biológica, da agricultura biodinâmica, da agricultura natural, da permacultura e de todas as outras formas de agricultura que respeitem a natureza, os valores ambientais e a inter-relação sustentada com o ser humano;
  4. A promoção, conservação e valorização das raças autóctones, das espécies agrícolas tradicionais de forma a conservar e melhorar o seu património genético;
  5. A certificação dos produtos rurais e agrícolas, de modo a que a sua obtenção seja comprovadamente conseguida de forma sustentada, respeitando os princípios ambientais, sociais e económicos;
  6. A promoção do desenvolvimento sustentado rural e agrícola, contribuindo para o investimento, através da execução de projectos de instalação ou melhoramento das explorações agrícolas e florestais, do apoio contabilístico e aconselhamento técnico, incentivando o investimento na região e a criação de postos de trabalho que contribuam para a fixação de pessoas, de forma a evitar o abandono rural, agrícola e florestal, diminuindo ou até banindo a desertificação dos lugares, aldeias e vilas, assim como a emigração das populações rurais;
  7. O correcto ordenamento dos ecossistemas agro-florestais, do uso do solo e da água e, de uma maneira geral, a difusão da utilização prudente e racional dos recursos naturais;
  8. A defesa dos territórios agrícolas contra pragas e doenças que ponham em causa a sua sustentabilidade e equilíbrio natural;
  9. Promover o emparcelamento agrícola, fomentando a compra, venda e troca de prédios rústicos, de forma a aumentar a área média das parcelas, melhorando a sua rentabilidade e criando economia de escala;
  10. Estimular o cultivo e o fabrico de produtos da terra tradicionais e endógenos, obtidos de forma sustentada;
  11. O apoio técnico aos associados;
  12. A compra, venda e comercialização dos produtos gerados pelos associados;
  13. Impulsionar o uso das novas tecnologias e dos sistemas informáticos, que, não colidindo com os valores rurais e tradicionais, promova e optimize a gestão agrícola;
  14. A produção, edição e difusão de documentos e a realização de eventos promocionais tais como seminários, colóquios, jornadas, conferências, feiras e outras iniciativas, sobre as questões relativas com o desenvolvimento local, rural, agrícola, florestal e ambiental.

Share