SOLO VIVO | Núcleo Florestal
UA-102017239-1
16345
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-16345,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive

Núcleo Florestal

slide-nucleo-florestal-01
slide-nucleo-florestal-02

Aproximadamente 90% da floresta portuguesa é pertença de proprietários privados de que não se conhece correctamente o número, mas que se estima em mais de 500 mil, que possuem milhões de parcelas.

 

Com o abandono da agricultura e o êxodo rural grande parte dessas parcelas florestais ficou abandonada, e um elevado número das que têm gestão não têm dimensão que viabilize a sua correcta exploração.

 

Assim, decidiram os vários Governos desde há vários anos promover o Associativismo dos Proprietários e Produtores Florestais através do apoio à constituição e ao funcionamento de Associações, e desde 2005, através das Zonas de Intervenção Florestal.

 

A SOLO VIVO pretende promover um desenvolvimento florestal sustentado ajudando os seus Associados, parceiros e clientes a gerir de forma correcta e ordenada os seus povoamentos florestais.

ZIF Carregal do Sal – Mondego

A SOLO VIVO é a Entidade Gestora da Zona de Intervenção Florestal Carregal do Sal – Mondego (ZIF n.º 113, processo n.º 218/09-AFN), oficialmente constituída através da publicação em Diário da República (2ª Série), nº 86, do Despacho nº 7810/2010, de 4 de Maio.

Esta ZIF engloba vários prédios rústicos das freguesias de Oliveira do Conde, Currelos, Parada e Papízios, do concelho de Carregal do Sal.

Com a criação das ZIF, pretende-se fomentar uma melhor gestão do espaço florestal, captando maior interesse dos proprietários pela floresta, uma vez que as iniciativas promovidas em ZIF têm prioridade na atribuição dos apoios públicos dirigidos ao sector florestal.

Uma Zona de Intervenção Florestal (ZIF) é uma área florestal contínua, que pertence a vários proprietários que se organizam para procederem à gestão e defesa comuns do seu património florestal, apoiados por uma entidade gestora com capacidade técnica adequada e dotada de um centro de custos.

São uma aposta do Estado Português e uma importante ferramenta para o ordenamento e gestão da floresta privada em Portugal, ocupando grande parte do território nacional, bem como um excelente instrumento para a implementação de uma gestão profissional dos espaços florestais nas áreas com uma estrutura de propriedade mais fragmentada. As ZIF estão sujeitas a um Plano de Gestão Florestal (PGF) e a um Plano Específico de Intervenção Florestal (PEIF).

Objectivos das ZIF:

  1. Garantir uma adequada e eficiente gestão dos espaços florestais, com a atribuição concreta de responsabilidades;
  2. Ultrapassar os bloqueios fundamentais à intervenção florestal, nomeadamente os problemas estruturais das pequenas propriedades;
  3. Infra-estruturar o território, tornando-o mais resiliente aos incêndios florestais, garantindo assim a sobrevivência dos investimentos e do património constituído;
  4. Dar coerência territorial à intervenção da administração central e local e dos demais agentes com intervenção nos espaços florestais e evitar a pulverização no território das acções e dos recursos financeiros;
  5. Concretizar territorialmente as orientações constantes na Estratégia Nacional para as Florestas, nos instrumentos de planeamento de nível superior, como o Plano Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios, os Planos Regionais de Ordenamento Florestal (PROF), os Planos Directores Municipais (PDM), os Planos Municipais de Defesa da Floresta contra incêndios (PMDFCI), os planos especiais de ordenamento do território e outros planos que se entendam relevantes;
  6. Integrar as diferentes vertentes da política para os espaços florestais, designadamente a gestão sustentável dos espaços florestais, conservação da natureza e da biodiversidade, conservação e protecção do solo e dos recursos hídricos, desenvolvimento rural, protecção civil, fiscalidade, especialmente em regiões afectadas por agentes bióticos e abióticos e que necessitem de um processo rápido de recuperação.

Vantagem em aderir a uma ZIF

  • Redução do risco de incêndio;
  • Prioridade na atribuição de apoios públicos;
  • Cartografia e levantamento perímetral (GPS) das parcelas;
  • Apoio Técnico especializado;
  • Ordenamento e gestão;
  • Valorização de áreas pouco produtivas;
  • Certificação Florestal.

Pretende obter mais informações sobre as ZIF?

Share